Mãe da Salvação

O Papa da Igreja Católica Apostólica Romana, até a sua morte, é o Papa Bento XVI, ocultado e silenciado pelos poderes ocultos. Após a sua morte, o Trono de Pedro permanecerá vacante por um tempo. Petrus Romanus, o Pontífice Máximo, guiará a Igreja Remanescente no período da Grande Tribulação.

Sobre

QUEM SOMOS

Somos um grupo de fieis da Igreja Católica Apostólica Romana e estamos com o Papa, mas com o verdadeiro Papa Bento XVI, não com Francisco, que não foi eleito para isso. Ele é aquele que usurpou o Papado.

Defendemos a fé, a fé simples da Igreja, transmitida pela tradição de séculos. E, portanto, o ensino que vem de Francisco e todo o seu governo horizontal não pertence à Igreja Católica, não vem da Tradição.

Nós não concordamos com todas as falsas doutrinas que, após o Vaticano II, foram impostas na Igreja como verdade. Doutrinas que foram impostas por Cardeais, Bispos e padres e são apenas uma massa de heresias. O Concílio Vaticano II é verdade, sua doutrina é verdadeira, mas a forma como tem sido interpretada é o que muitos na Igreja não conseguiram discernir. E eles têm dado à Igreja um ensinamento que leva à ruína de muitas almas. Todos os Papas, durante este tempo até o último, Bento XVI, eles são legítimos e não são heréticos. O fanatismo de muitos os impediu de ver a verdade da sucessão de Pedro nestes Papas.

Não somos sedevacantistas, porque entendemos que a Cátedra de Pedro é divina e os Papas verdadeiros que não sabem usar essa Cadeira, seguindo o Espírito Santo não podem deixar a Cadeira de Pedro vazia, porque Deus dirige Sua Igreja, até mesmo através de um Papa pecador, como consta na história da Igreja. Deus nunca deixa a Cadeira de Pedro vazia. Nunca um Papa legítimo conduz a Igreja em cisma e heresia. Só os Bispos, que desobedecem o Papa legítimo são os que arrastam os demais a uma vida contrária à fé católica.

No caso de Francisco, a Cadeira de Pedro foi roubada, mas todavia a pertence ao Verdadeiro Papa, que é Bento XVI. Não está vazia. O que se senta Nela está fazendo um mal uso dessa Cadeira e converte a Cadeira de Pedro, o Papado, em uma irrisão da Verdade e da Fé. O Primado de Jurisdição pertence só ao Papa legítimo, que é Bento XVI. Ele tem a Autoridade Divina na Igreja. E a tem até a sua morte. Um Papa legítimo não possui a Primazia de Honra, mas de Juridição. E não a perde pela renúncia, porque a Graça de ser Pedro, de ser o Vigário de Cristo, é até a morte, não até o que digam os homens. Ao Papa Bento XVI foi imposta a renúncia por interesses múltiplos na Igreja. E são esses interesses os que agora se contemplam na nova sociedade que o usurpador tem criado na Igreja. Seu governo horizontal é o cisma na Igreja: anula a verticalidade do Papado. E isso o leva a colocar homens de heresia para governar uma ditadura em que todos têm uma nova ordem na Igreja: zelar pelo ser humano, material, de modo natural. Mas nenhuma se dedica ao fim que a Igreja tem em si mesma, que é salvar e santificar almas.

Aqui se expressa a verdade como é, como todo o mundo a entende, sem filosofias, sem coisas estranhas, sem artifícios de linguagem, como a Palavra de Deus a ensina, sem querer interpretá-la segundo o pensamento de cada um.

Não queremos fazer política da Verdade da Igreja nem partidarismos na Igreja. O Evangelho é para toda a Igreja. Temos que vivê-lo como o Espírito o ensina: no coração e seguindo aqueles Pastores que dão a Verdade do Espírito em seus ensinamentos na Igreja. O Evangelho não é uma interpretação de homens, mas a mesma Vida de Cristo, que se oferece no coração dos homens, mas que exige deles o assentimento de suas mentes para poder vivê-lo.

Que o Senhor nos ilumine neste caminhar no deserto para a Cruz do Salvador, para a Verdade de nossas vidas, para o Amor do Coração. A Igreja verdadeira já não o oferece no Vaticano, não está em Roma, que se vai converter em um novo paganismo. Roma fornica com todo o mundo. Por isso, será a meretriz da história dos homens. A Igreja, agora, está no deserto. E aí tem que estar para poder ser Igreja em um mundo que já não quer a verdadeira Igreja.

BERGOGLIO É UM ESCÂNDALO

“Qualquer um que, como diz o Apóstolo, tente semear outra coisa fora do que temos recebido, seja anátema” (São Hilário – Da imutabilidade da doutrina cristã [Carta Cuperem quidem, a Basilisco August, de 9 de janeiro de 476]).

Bergoglio é um escândalo público porque está semeando uma doutrina contrária ao Evangelho e ao que o magistério da Igreja tem ensinado como infalível e imutável.

Bergoglio está incitando, pública e imperativamente, aos fieis católicos a cometer o pecado, a viver no pecado, a obrar o pecado. É um apóstata da fé: um homem que se tem desviado completamente da verdade e que arrasta a muitas almas para a mentira de sua vida.

Bergoglio é anátema, está excomungado da Igreja Católica.

E todos aqueles que o seguem, que o defendem, que publicam seus ímpios escritos, que não o anatematizam juntamente com todas as suas obras e escritos, que escrevem a seu favor e em favor de seus ímpios escritos, que o chamam papa, que pensam como ele, que querem perseverar com ele até o fim em suas heresias, com seu governo horizontal cismático, e sejam sacerdotes, Bispos, Cardeais, Diáconos, religiosos ou laicos, são anátema, estão também excomungados da Igreja Católica.

Todas estas pessoas estão colaborando para levantar uma nova e cismática igreja no coração de Roma, gloriando-se do nome católico, permanecendo por perversidade em toda classe de heresias, sob o jugo de um governo cismático, autocrático, e colocando um caminho de perdição para todas as almas.

Gloriar-se do nome católico seguindo como papa a um herege, a um blasfemo, a um cismático, a um apóstata da fé, como o é Jorge Mario Bergoglio, é uma blasfêmia contra o Espírito Santo.

O Senhor diz que a quem pecar contra o Espírito Santo nem aqui nem no século futuro se lhes tinha de perdoar (Mt 12, 32). E o que diz São João: Tem pecado de morte: não digo que se rogue por ele; e tem o pecado de não morte: digo que se rogue por ele (1Jo 5, 16-17). Tem pecado de morte para os que permanecem no mesmo pecado; tem pecado de não morte para aqueles que se apartam do mesmo pecado.

Todas estas pessoas, seguidoras de Jorge Mario Bergoglio, tem cometido o pecado de morte, porque querem permanecer no mesmo pecado, que é triplo: heresia, cisma e apostasia da fé. Já não são Igreja. Já não podem pertencem à Igreja de Cristo, por mais que queiram gloriar-se do nome de católicos e dizer que seguem o seu papa herege.

Os que querem apartar-se desse pecado tem a obrigação de chamar as coisas e as pessoas pelo seu nome, e por-se em comunhão com o Papa Bento XVI para não cometer o pecado de morte.

O principal para um católico é guardar a regra da reta fé e não desviar-se, de modo algum, do magistério autêntico e infalível da Igreja. Só no Papa legítimo e verdadeiro, Bento XVI, se conserva imaculada a religião católica. Só em comunhão com ele se edifica a Igreja Católica. Só com ele a Igreja nunca poderá ser vencida por seus inimigos.

Todo ato de Jorge Mario Bergoglio, toda obra que realiza na Igreja, sejam nomeações, proclamações, etc…, são inválidos aos olhos de Deus. Não tem valor divino, porque não possui o Primado de Jurisdição, a Autoridade de Deus, que só pode estar em uma Cabeça: a do Papa Bento XVI. Só há um Papa da Igreja Católica.

E todos os Cardeais e Bispos, se querem permanecer na verdade, se querem salvar suas almas e as de seu rebanho, tem a obrigação grave de excomungar oficialmente Bergoglio e privá-lo do exercício de todos os direitos na Igreja.

Anúncios