bergoglio-31

Lumen Mariae | Autores: Grupo de Sacerdotes fieis ao Verdadeiro Magistério da Santa Igreja Católica Apostólica Romana

A Igreja é o Corpo Místico de Cristo. E isso significa que a Igreja não é um grupo de homens, mas de almas que pertencem a estados espirituais, como o Céu, o Purgatório e a vida terrena.

A vida da Terra deve ser vista como um estado da alma, não apenas como um lugar físico, natural, material e humano.

Se a Igreja não é contemplada dessa maneira, os homens sempre fazem sua igreja, aquela que concebem com seus pensamentos, mas eles não fazem a Igreja do Espírito, aquela que Deus concebeu, desde toda a Eternidade, em Seu Coração Divino.

Deus é Espírito. E, portanto, tudo o que cria é Espírito, nasce do Espírito e se move no Espírito.

Deus não cria coisas materiais. A matéria, os corpos, o Universo, nascem da Obra do Espírito. O material pertence ao Espírito, não à coisa material em si.

Por isso, o homem não é apenas algo humano, carnal, material, de sentidos, de vivências palpáveis. O homem tem um espírito que nasce do mesmo Espírito. O homem tende, por natureza, para o Espírito, para a vida do Espírito. Por isso, tem uma alma espiritual, se alimenta de coisas espirituais, deseja o espiritual.

O problema do homem é que está metido em uma carne, em algo material, que o empurra para a matéria, que o impede de voar em direção ao Espírito e, por isso, o dificulta a entender a Obra do Espírito.

A Vida da Igreja é Espírito, é a Vida do Espírito, é a Obra do Espírito. E não é outra coisa. Não é o que os homens pensam sobre Deus. É o que Deus obra em Si mesmo.

É por isso que os homens, durante séculos, tentaram fazer a Igreja que concebem em seus pensamentos humanos. E não lutaram para fazer a Igreja que está no Coração de Deus.

Mas Deus, sabendo como é o homem, ousa criar uma Igreja na qual o elemento humano é um obstáculo à vida da Igreja.

O humano sempre complica a simplicidade da vida espiritual. E isso todos os santos o tem contemplado em suas vidas. O santo é chamado por Deus para algo espiritual, mas os homens sempre tem posto sua idéia de santidade, sua idéia de vida espiritual, sua idéia de Igreja e, por isso, o Santo, para realizar uma Obra Divina na Igreja, tem que enfrentar a tantos homens da Igreja que apenas buscam seu pensamento humano e chamam esse pensamento humano de Vontade de Deus.

É por isso que os homens da Igreja colocaram seu ídolo na Igreja: aquele que eles conceberam com sua razão humana.

É o ídolo de como deve ser a Igreja, quando um Papa renuncia ao seu pontificado.

É o ídolo da razão humana, que traz suas conseqüências para toda a Igreja.

Porque esse ídolo é apresentar à Igreja um caminho que Deus não deseja, que Deus não planejou para Sua Igreja.

Esse ídolo consiste em dar à Igreja uma nova Cabeça e chamá-la de Papa. Isso é o que se tem feito. Se tem posto um falso Cristo, um falso Vigário de Cristo, um falso Profeta.

Isso tem sido o começo. E isso não será removido, porque os homens não vêem seus pecados. E, por mais que se lhes diga seu pecado, os homens não os atenderão, mas lutarão para que seus pecados sejam aceitos por todos.

Isso é uma verdade. Não se deve haver ilusões sobre esse falso Profeta, que foi colocado pelos Inimigos da Igreja, apenas para acabar com a Igreja, que Deus tem em Seu Coração, e que nada conhece, mas somente Deus.

O início do fim da Igreja foi colocado pelos homens, precisamente, na Cabeça da Igreja.

E será aquela falsa cabeça da Igreja que fará todos os demais para que na Igreja se viva o que Deus não quer para Sua Igreja.

Por isso, os tempos em que vivemos não são como outros tempos anteriores.

A Virgem, em todas as partes do mundo, tem dado suas profecias. E Ela profetizou o que estamos vivendo. E é uma realidade o que vivemos. E quem não quer ver é somente pela sua soberba, por sua má vontade, porque ama o pecado, não ama a Verdade da Igreja.

As almas se acostumaram ao pecado e não sabem mais ver a Verdade. Elas têm medo desta verdade.

Porque às almas lhes custam a vida espiritual na Igreja. E tem feito de suas vidas espirituais uma rotina. E veem a Igreja em sua rotina. E não sabem lutar pela verdade da Igreja, porque não sabem lutar pela verdade de suas almas.

A alma necessita da Verdade que nasce do Espírito. Os homens não tem necessidade das verdades que nascem dos pensamentos dos homens, porque essas verdades não enchem o coração, não fazem viver, não operam a Verdade que está no coração de cada um.

A alma necessita contemplar a Verdade. E a Verdade é dada pelo Espírito da Verdade, não pelo pensamento de um homem.

Mas essa Verdade que se contempla também assusta, porque a alma se refugia em sua mente, em sua vida, em suas obras e apenas luta por si mesma, mas não pela vida do Céu.

Por isso, antes do pecado da Hierarquia da Igreja, ninguém se mexeu, ninguém disse nada. Todos tem assentido a esse pecado e todos vê esse novo Papa como algo bom, que Deus não escolheu, que Deus não quer, que não é um dom de Deus para Sua Igreja e que isso significa apenas a ruína da Igreja.

E as almas se acomodaram a esse pecado. E tomaram esse pecado como bom, como um valor. E não ousam chamar esse novo papa com seu nome verdadeiro: falso profeta.

Ele tem medo do que os outros dirão, do que os outros vão pensar. Em seguida, vem o julgamento e a condenação contra quem se atreve a negar o novo Papa que os homens inventaram na Igreja.

É difícil ver a Verdade e difícil dizer a Verdade. E a verdade não gosta de ninguém. E a Verdade são poucos que a seguem, porque a Verdade sempre crucifica a mente do homem, sua vida, suas obras, seus desejos humanos. E ninguém quer a cruz, ninguém quer sofrer.

A Verdade é como É. E ninguém pode ocultá-la. Nem mesmo o consenso de toda a Hierarquia da Igreja, quando se reúne para nomear um novo Papa.

A verdade é que eles não teriam que reunir-se. Eles teriam que pedir a Deus a Luz nessa situação. E então o homem cometeu outro pecado. E isso o levou a pôr seu ídolo na Igreja.

Um ídolo que eles não removerão mais, porque nasce da soberba humana. E o soberbo não vê sua soberba, mas se tem por justo e santo em sua soberba.

Os homens têm dificuldade em serem simples e humildes. E eles preferem dar aos outros o exterior da humildade, mostrar-se aos outros que são humildes porque não possuem muita riqueza ou porque têm um caráter que os torna humildes no exterior, no trato com os outros. Mas é difícil para todos os homens submeterem sua razão à Verdade do Espírito. E não há homem que não sofra quando tem que desistir de seu modo de entender a vida, de entender a Igreja, de entender as coisas divinas.

A Igreja é do Espírito, não de qualquer um que se chama a si mesmo de Papa por não saber discernir o que outros fizeram quando o nomearam Papa.

Neste falso Profeta está também o seu pecado de soberba, que o cega ao Trono, à Cadeira de Pedro e que vá querer fazer sua igreja, seu modo de entender a salvação e a santidade da Igreja. E, dessa maneira, produzirá o cisma em toda a Igreja, porque não é a Cabeça que Deus quer e, portanto, não será capaz de fazer a Unidade da Igreja.