Pope Francis greets Emeritus Pope Benedict XVI during a mass to create 20 new cardinals during a ceremony in St. Peter's Basilica at the Vatican

Lumen Mariae | Autores: Grupos de Sacerdotes fieis ao Verdadeiro Magistério da Santa Igreja Católica Apostólica Romana

O pecado da Igreja é escolher um papa quando ele ainda está vivo.

E esse pecado não quer ser reconhecido como pecado, porque os homens se conformam às suas leis eclesiásticas, não ao Espírito da Igreja.

Nestas leis eclesiásticas, existe a possibilidade de escolher um papa na renúncia de outro ao pontificado.

Quando os homens da Igreja seguem seus preceitos e não seguem o Espírito, tornam-se fariseus e querem ver a verdade da Igreja, o bem da Igreja, em seus preceitos, mas não no Espírito da Igreja.

Esse pecado da Hierarquia da Igreja é tão manifesto que ninguém o considera pecado, porque todos na Igreja seguem seus pensamentos humanos, seu raciocínio humano, seus ideais humanos e, portanto, tornaram a Igreja um negócio humano, uma companhia humana. E eles acreditam que a Igreja deve ser feita de acordo com as perspectivas humanas, de acordo com as circunstâncias humanas, de acordo com o que cada um vê em seus pensamentos.

Eles chamam essas leis eclesiásticas de Vontade de Deus, porque, para isso, são a Hierarquia da Igreja. Eles estão no poder e têm o direito de decidir os destinos da Igreja e enviar à Igreja, embora ninguém goste do que é enviado.

Muitos na Hierarquia da Igreja usam seu sacerdócio, seu ministério, seu ofício eclesiástico para enviar sua vontade humana a outros e declaram que o que eles ordenam é a vontade de Deus.

Muitos na Hierarquia da Igreja não podem discernir entre a Vontade de Deus, a vontade dos homens e a vontade do demônio. E eles não sabem como fazê-lo, porque querem discernir o bem da Igreja com seu pensamento humano, com sua intelectualidade, com sua teologia, com sua filosofia, com sua psicologia, com sua psiquiatria. E, dessa maneira, eles nunca descobrem a Vontade de Deus, mas apenas a vontade dos homens ou a vontade do demônio.

O demônio trabalha na mente dos homens. E ele trabalha muito em padres, em bispos, em cardeais, em papas, porque sabe que os homens gostam de raciocinar a vida e, portanto, acreditam apenas no que a razão deles descobre.

Deus fala ao coração da alma, não à mente da pessoa. O coração é o lugar divino que uma pessoa tem para aprender a Vontade de Deus e operá-la em sua vida humana.

A Voz de Deus é a Voz do Amor no coração. E que a Voz não é uma idéia muito bonita, não é um pensamento positivo da vida, não é algo que é preparado em uma bandeja de prata para que outros aplaudam o quão bem tudo foi pensado.

A Voz do Amor é uma obra divina, porque o pensamento de Deus é uma Obra de Deus. Para Deus, pensar é agir. Para os homens, pensar é apenas ter idéias, ter idéias, procurar algumas idéias certas sobre um problema. E então os homens fazem ou não fazem o que pensaram.

Deus se move para trabalhar o Amor, Seu Amor Divino, que põe no coração dos humildes. Deus não se move em direção a algo porque o homem tem pensado bem da coisa. Deus se move sem avançar em direção à obra que quer da alma. E, dessa maneira, a alma opera o Amor, a alma faz um Bem Divino em sua vida humana, a alma faz a Vontade de Deus na vida.

Mas a alma deve ser uma pessoa de oração e penitência. Uma pessoa que não incomoda sua vida humana, que não se preocupa com sua vida humana, que não cuida de sua vida humana, mas que está sempre procurando pela Presença de Deus para poder discernir o que vem de Deus, o que vem dos Homens e o que vem do demônio. E somente os santos sabem como fazer isso.

E, por isso, é difícil entender a vontade de Deus. Não é fácil encontrá-la em um mundo cheio de vontades humanas, razões humanas, desejos humanos da vida.

Portanto, antes da renúncia do Papa, a Igreja deveria ter sido colocada em oração e penitência, porque essa renúncia é um pecado muito grave, que somente com oração e penitência pode ser reparado. E encontre, nessa oração, o Projeto Divino sobre a Igreja, a Vontade de Deus sobre a Igreja naquele tempo: o que fazer na Igreja quando um Papa renuncia a ser Papa?

Mas como a Hierarquia da Igreja não fez oração e penitência, mas ela usou seus preceitos eclesiásticos, então o que ela fez foi outro pecado. E ela chamou aquele pecado de vontade de Deus.

E ai daquele que se atreve a dizer que o que a Hierarquia da Igreja fez é um pecado e que não é a Vontade de Deus! Que aquele homem que foi escolhido é um falso Profeta, não é um verdadeiro Papa. Eles o chamam de herege e cismático.

A Hierarquia da Igreja colocou sua cabeça, que eles escolheram como homens que são. Mas eles não colocaram a Vontade de Deus, que é o que o Corpo Místico pede à Hierarquia da Igreja: fazer a Vontade de Deus, não chamar o pecado de Vontade de Deus.

Isto é o que foi feito, mais uma vez na Igreja. Porque isso não é novo. Não se entende o que é a obediência ao Espírito da Igreja. Todos na Igreja, desde que foi fundada, buscaram a obediência dos fiéis ao seu raciocínio humano, às suas idéias de como a Igreja deveria ser, aos seus preceitos eclesiásticos. Sempre foi assim. E essa foi a eleição de um novo Papa por causa da falta de fé de toda a Hierarquia da Igreja.

Os homens da Igreja colocaram seus pecados na Cabeça da Igreja, para que todos possam resolver seus pecados, justificar seus pecados, aplaudir seus pecados, segui-los, e assim fazer da Igreja somente o que o pensamento desse homem queira.

Foi o que aconteceu e ninguém ousa dizer o contrário, porque, é claro, são padres, bispos, cardeais, que sabem o que devem fazer na Igreja. E como ninguém na Igreja busca a Verdade da Igreja, mas todos buscam suas meias-verdades, então temos o que temos.

A Igreja tem seu Papa: aquele que eles procuraram, aquele que os homens querem. Mas não tem a vontade de Deus. Porque Deus não quis aquele falso profeta para a Sua Igreja. Deus deu um Papa à Sua Igreja e não escolhe outro Papa até que ele morra. Essa é a fé da Igreja.

Portanto, neste momento, você só pode obedecer à pessoa que Deus colocou como Papa, que é Bento XVI. O problema é que Bento XVI não quer ser Papa.

Esta permanece a Verdade da Igreja que ainda não foi resolvida. A Igreja está sem Papa, porque o Papa vive seu pecado, está em seu pecado. E os homens inventaram um Papa que quer que todos o sigam, que o impõem a toda a Igreja como o verdadeiro Papa.

E aqueles que têm Espírito, imediatamente, veem a mentira desse falso Profeta. Desde que foi eleito, ele só se interessou em agradar um ao outro, em tornar a vida da Igreja um banquete, em querer dar à Igreja ritos mais conformes aos tempos em que o homem vive, ritos acomodados à vida humana, para que o homem se encontre contente na Igreja, e veja que a Igreja é como o mundo e aceita as coisas do mundo e se torna mais humana porque está com os homens e os seus problemas.

Um falso profeta que, quando fala, quando a improvisação ocorre, capta suas mentiras, suas debilidades intelectuais. Quantas coisas tem dito que um verdadeiro Papa nunca as diz! Quantas meias-verdades que dão a entender o que está na mente daquele sacerdote que, que revestido de poder, se crê com o direito de governar a Igreja com sua inteligência e com a inteligência dos homens! Porque isso é o único que tem: sua inteligência humana com a qual ele deseja descobrir a Verdade da Igreja.

Um falso profeta que mostra humilde no exterior, que dá aos homens exteriores, sem vida espiritual, o que os homens querem ouvir em suas mentes humanas. Mas ele não é capaz de falar a Verdade que está no Espírito Divino, porque nunca foi guiado por esse Espírito, mas que aplaudiu os homens da Igreja que fizeram do sacerdócio o negócio das coisas divinas.

E diante desse falso Profeta, o homem espiritual, o homem que vive sua vida espiritual, o homem que sabe discernir espíritos, a obediência não pode ser exigida. Quem tem espírito deve enfrentar o falso profeta e continuar a obedecer ao verdadeiro Papa.

Nós devemos lutar para remover o pecado da Igreja. E esse pecado agora é mostrado ao mundo com o rosto de um homem soberbo que quer se entregar a todos como o verdadeiro Vigário de Cristo.

Esse falso Profeta é o herege e aquele que causa o cisma na Igreja, porque o Espírito Santo marca a linha de divisão em Sua Igreja. A Igreja é do Espírito, não daquele falso Profeta, não das leis eclesiásticas desse falso Profeta. E tem que obedecer ao Espírito da Igreja neste momento. Devemos obedecer a Deus e não aos homens. E se essa obediência não é dada, então os fiéis se ajustam ao pecado, às mentiras, a um papa que não é um papa verdadeiro, mas um impostor e, como tal, deve ser tratado.

Devemos orar muito por esse falso Profeta e não segui-lo em tudo o que ele faz na Igreja. Devemos reconhecer o verdadeiro Papa e pedir ao Senhor que o levante do pecado, para vê-lo e removê-lo. Porque uma Cabeça que não tira seu pecado faz da Igreja o pasto do demônio.