Dois Papas (4)

Lumen Mariae | Autores: Grupo de Sacerdotes fieis ao Verdadeiro Magistério da Santa Igreja Católica Apostólica Romana

Só pode haver um Papa enquanto ele tiver vida.

Ninguém se engane, porque a Verdade é clara.

“Tu és Pedro e nesta pedra edificarei a minha igreja, e os portões do inferno não poderão contra ela” (Mt 16:18).

A Cadeira de Pedro é para uma alma que Deus chamou de Ofício Divino.

Uma alma Escolhida apenas pela Vontade Divina, na qual nenhuma vontade humana entra.

Uma alma que Deus escolhe participar da liberdade dos homens, mas que o resultado é apenas a vontade de Deus.

É o mistério da graça e a liberdade do homem. E sempre faz o que Deus quer. Nunca o que o homem pensa ou decide.

Jesus fundou Sua Igreja em Pedro, não em homem algum. Pedro é a pedra angular da Igreja. E a Igreja não tem outra Rocha para se apoiar.

A Igreja não se apóia nos pensamentos de nenhum padre, bispo, cardeal ou fiel. Não em nenhum trabalho que os homens fazem na Igreja.

A Igreja confia em Pedro. E em Pedro está toda a inteligência da Igreja e todo o trabalho da Igreja.

Este é o poder que Pedro tem. Um poder que somente Deus pode dar, ninguém pode dar.

Portanto, com a renúncia de Bento XVI, o homem roubou o Trono de Pedro, a Cadeira de Pedro, mas não conseguiu roubar o Poder de Deus.

O poder de Deus repousa sobre a alma que Deus escolheu para o papa, que é a alma de Bento XVI. Ele não pode estar na alma do falso profeta, que se senta na cadeira de Pedro e se chama papa.

A renúncia de Bento XVI é um pecado do Papa na Igreja. E como pecado, deve ser tratado. Não é que ele não tenha as forças, não é que ele fez algo errado em seu reinado e teve que sair.

Bento XVI pecou e isso é suficiente para produzir imenso caos na Igreja. Caos espiritual, porque os homens não sabem como viver o Espírito e, portanto, não sabem como chamar a verdade, de verdade e ao pecado, de pecado.

Só pode haver um papa que Deus escolhe. E ele escolhe até sua morte. Ele não o escolhe por uma razão humana. Não o remove porque o corpo está doente ou fraco. O papa é papa até sua morte. E essa é a verdade que não querem aceitar.

Jesus não brinca com a sua Igreja. Quando ele põe um Papa, ele sabe quem ele põe e conhece suas fraquezas e seus pecados. E o põe apesar de suas fraquezas e pecados, porque o Papa tem todo o poder de governar a Igreja, mesmo que ele esteja doente, mesmo que não possa mais em sua vida, mesmo que tenha pecado.

Jesus funda sua Igreja sobre uma alma que Ele escolhe. E isso lhe dá poder para realizar essa obra divina até o fim de seus dias terrestres.

Se o Papa Escolhido por Deus não cumpre sua missão pela qual foi escolhido, é por causa da alma, que não sabe ter fé, que não sabe orar, que não sabe penitenciar. E então, ele tem medo dos homens ao seu redor e segue o que esses homens lhe dizem e ignora o que o Espírito diz ao seu coração.

E, por isso, cai em pecado. Mas o pecado não tira o poder de Deus e a missão de Deus para essa alma. Porque Deus o escolheu para essa missão, conhecendo seus pecados e suas fraquezas.

É o Mistério da Divina Misericórdia, que nenhuma mente humana é capaz de entender.

Assim, na Igreja, neste momento, há um Papa: aquele que Deus escolheu até sua morte: Bento XVI. E não há outro papa. Quem se chama Papa é apenas um falso profeta, que não sabe orar ou penitenciar e, portanto, não sabe ver o problema que a Igreja tem agora.

Ele não sabe como ver esse problema e não pode pedir ao Espírito luz para fazê-lo conhecer a verdade de sua vida que, agora, se move em uma grande mentira.

E se ele subiu na cadeira de Pedro sem a vontade de Deus, sem o chamado de Deus, sem a missão de Deus, sem o poder de Deus, então o que ele faz na Igreja é pelo poder dos homens, chamado pelos homens, pela missão que os homens desejam na Igreja, pela vontade de muitos sacerdotes, bispos, cardeais que não querem mais seguir a doutrina de Cristo, mas fizeram de seus sacerdócios um instrumento do demônio.

Por trás da eleição desse Falso Profeta está a Maçonaria, que camuflada pelo Poder Sacerdotal, faz da Igreja o reinado do Anticristo. E ele apresenta à Igreja a nova maneira de adorar a Deus, através dos ensinamentos de muitos sacerdotes que perderam o Espírito Sacerdotal, e não sabem mais como levar almas a pradarias espirituais, mas dar alimento humano a elas, fruto de sua inteligência tola e de seu orgulho da vida.