Santo Sacrifício da Missa (1)

Bula Pontifícia emitida pelo Santo Padre, o Papa São Pio V, no dia 14 de julho de 1570, sobre a Missa Tridentina de caráter dogmático, portanto infalível – Uma Verdade Revelada por Deus – a Verdadeira Missa, chamada de Missa “Tridentina” porque “Tridentino” se refere ao Concílio de Trento (1545-1563), que unificou a prática litúrgica na Igreja Ocidental. A Missa Tridentina foi baseada nas mais antigas e veneráveis fontes litúrgicas Ocidentais. São Pio V decretou na Bula Papal, conhecida como Quo Primum Tempore, que seu único rito de Missa fosse usado por todos na Santa Madre Igreja Católica.

Assim, pois, diz-se na bula:

E a fim de que todos, e em todos os lugares, adotem e observem as tradições da Santa Igreja Romana, Mãe e Mestra de todas as Igrejas, decretamos e ordenamos que a Missa, no futuro e para sempre, não seja cantada nem rezada de modo diferente do que esta, conforme o Missal publicado por Nós, em todas as Igrejas.

Afirma-se, ainda, a legitimidade perpétua em:

Além disso, em virtude de Nossa Autoridade Apostólica, pelo teor da presente Bula, concedemos e damos o indulto seguinte: que, doravante, para cantar ou rezar a Missa em qualquer Igreja, se possa, sem restrição seguir este Missal com permissão e poder de usá-lo livre e licitamente, sem nenhum escrúpulo de consciência e sem que se possa incorrer em nenhuma pena, sentença e censura, e isto para sempre.

E conclui-se com:

Assim, portanto, que a ninguém absolutamente seja permitido infringir ou, por temerária audácia, se opor à presente disposição de nossa permissão, estatuto, ordenação, mandato, preceito, concessão, indulto, declaração, vontade, decreto e proibição.

Santo Sacrifício da Missa (2)

Santa Missa Tridentina é a Missa Católica por excelência e o verdadeiro Sacrifício do Calvário onde Cristo se oferece da mesma forma que se ofereceu no Altar da Cruz pela nossa salvação. (Jovens da Tradição)

“Não devemos perder de vista a Tradição, a Doutrina e a Fé da Igreja Católica, tal como o Senhor ensinou, tal como os Apóstolos pregaram e os Santos Padres transmitiram. De fato, a Tradição constitui o alicerce da Igreja, e todo aquele que dela se afasta deixa de ser Cristão e não merece mais usar este nome. Mesmo que os católicos fiéis à Tradição estejam reduzidos a um punhado, são eles que são a verdadeira Igreja de Jesus Cristo.” (Santo Atanásio, Bispo de Alexandria Defensor da Fé)

Anúncios